Tecnologia do Blogger.

09/08/2009

Essas coisas só acontecem comigo…


Bom..passei meu primeiro dia dos pais em local maravilhoso, com muita água de côco, peixe, churasco, amigos e parentes. Cheguei de noite e depois de todo o procedimento normal (comida cachorros, filhotes, passeio, banho filho, jantar, colocar pra dormir, etc etc etc), resolvi sentar na varanda para fumar meu cigarro, depois de um longo e gostoso banho. Claro que já estava com parte do meu pijama, esperando o Pânico na tv começar.

Antes disso preciso comentar. Sempre que entro online eu vou direto no Twitter e no Blog da @Rosana, que eu sempre menciono aqui. Postei no twitter algo engraçado que acontecera comigo e fui ler as Twistorias, que eu fiquei viciado de tão bom e engraçado. (http://queridoleitor.zip.net/)

Quando lí a 09, sobre vizinhos, não me aguentei e me mijei de rir, e tive que postar aqui o que me aconteceu hoje a noite e que eu havia postado no twitter. Até agora já ví o vídeo da @rosana umas 3x e me lembrando do que aconteceu, não consigo evitar as gargalhadas....

Bom....estava eu então na varanda fumando meu cigarro e escutei um barulho de cachoeira. Moro no primeiro andar e quando olhei, meu vizinho de “cima” estava fora de um táxi mijando na entrada do prédio. Estava cambaleando e nitidamente com teor alcólico bem alto. Achei que tinham me dado cogumelos no almoço comemorativo. Chamei a vizinha de porta para ser testemunha, pois é claro, conversaria com a síndica depois.

Alguns bons minutos depois, ele continuava tentando abrir a porta do prédio e eu e a vizinha resolvemos colocar o assunto em dia. Mais de 30 minutos depois, escuto um gato miando na minha porta. Abrí e o gato do tal vizinho estava mesmo lá e um som alto vinha do andar de cima. Achei que era Bruno e Marroney (ou sei lá o nome deles) e olhei estranhamente para a vizinha.

Decidi então levar o gato até ele, pois havia fugido. Quando chegamos no andar, a porta do apto estava escancarada e de dentro vinha a tal música alta. Olhei para a vizinha e como ação natural, toquei a campanhia. Nada acontecia. Batí na porta, chamei “viziiiiiiiiiiiiino” (não sei o nome dele) e nada aconteceu. Televisão ligada, som alto, ventilador ligado, casa toda acessa. Olhei para a vizinha de camisola e não entendemos nada.

Na hora pensei que ele poderia ter batido a cabeça ou se machucado e entramos no apto. Não havia ninguém. Nos olhamos e saímos correndo, pensando que ele tivesse caído pela jalena. Eu olhei pela varanda do meu apto e ela pela área de serviço. Nem sinal dele. Ficamos alguns bons minutos pensando se ligaríamos para a emergência ou para a polícia, pois afinal, não havia “corpo”, apenas um “desaparecimento”.

Alguns outros bons minutos depois, vímos ele cambaleando pelo condomínio, com uma sacola cheia de cervejas, tentando mais uma vez abrir a porta do prédio, não percebendo que as chaves haviam ficado na porta de casa.

Ainda bem que é Domingo e pelo começo, essa semana vai ser estranha!

abs

1 comentários:

Crovis disse...

ahahahahahahahahahahahaha, essa é boa! vamos fazer um livro chamado Crônicas de Vizinhos haahhahahahahaha! cada figura ridícula ahahahahahahhahaha
Nem o gato aguentou e aproveitou a primeira oportunidade para cair fora ahahahahahahhaha
Muito bom muito bom ahhahahaha

Postar um comentário

Escreva o que quiser, mas lembre-se que não sou um vaso sanitário :)

  ©Inconsciente Aberto - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo